Você conhece o Vagrant? Vagrant é uma ferramenta muito interessante para criação rápida de máquinas virtuais, privisionamento e criação de ambientes de testes, muito útil para manter ambientes iguais caso você trabalhe em equipe e todos precisem fazer testes com máquinas virtuais que tenham a mesma configuração.

Site Oficial do Vagrant aqui.

A instalação do Vagrant é feita baixando o pacote e fazendo sua instalação, no caso do Ubuntu é um arquivo “deb”, no caso do Windows é um arquivo “msi”.

Depois de instalado, é só chamar o Vagrant com o comando “vagrant –help” por exemplo.

Para iniciar a criação de máquinas virtuais, é preciso ter também instalado um software para criação de máquinas virtuais, com o Virtual Box ou o VMWare.

No meu caso, fiz a instalação do Virtual Box, o Vagrant então vai fazer a gerência das máquinas virtuais pelo Virtual Box.

Para iniciar uma configuração com o Vagrant, é preciso de preferência criar um diretório e a partir desse diretório que foi criado, começar a fazer as configurações.
Para iniciar um arquivo de configuração, utilize o comando “vagrant init“, esse comando vai gerar o arquivo “Vagrantfile“, é nesse arquivo que são feitas as configurações das máquinas virtuais que vão se criadas.

Esse arquivo já tem várias configurações e muitas explicações de como deve ser configurado, no meu caso, vou apagar todo o arquivo e colocar as configurações abaixo:

No arquivo acima, vão ser criadas 3 máquinas virtuais, com os nomes de server01 com o IP 10.0.0.100, server02 com o IP 10.0.0.110 e server03 com o IP 10.0.0.130.

A imagem da máquina virtual que será usada vai ser o Ubuntu/Xenial64.
Mas de onde vem essa imagem do Ubuntu se eu não fiz o download dela ainda? Essa imagem, caso você ainda não tenha feito o seu download pelo Vagrant, será baixada automaticamente pelo Vagrant e onde ficam essas imagens?

Essas imagens você pode achar no site Vagrant de boxes do Vagrant, pelo link [Vagrant boxes].

No site existem centenas de imagens já criadas e configuradas, por exemplo CentOS, WordPress, Nginx e tantas outras.

Depois de configurado o arquivo, basta iniciar as máquinas virtuais com o comando “vagrant up“.

A medida que as máquinas vão sendo criadas na linha de comando, elas também vão aparecendo dentro do Virtual Box automáticamente.

Depois que todas as máquinas estiverem ligadas, para fazer seu acesso via SSH basta digitar o comando “vagrant ssh [nome-servidor]“.

O usuário e senha padrão de qualquer servidor criador pelo Vagrant é user: vagrant e senha: vagrant, o diretório onde está o arquivo “Vagrantfile” também já é compartilhado dentro dos servidores criados pelo Vagrant, então, caso seja preciso movimentar arquivos pelos servidores que foram criados, você pode usar esse diretório.

Esse diretório fica na raiz do servidor criado pelo Vagrant.

Para desligar um ou mais servidores, basta utilizar o comando “vagrant halt [nome-servidor]“.

Se nada for configurado na máquina virtual, a memória utilizada será de 1024 megas, isso pode ser modificado alterando o arquivo de configuração, o Vagrantfile, conforme o exemplo abaixo, em que estou colocando a server01 com 512 megas de memória.

Para apagar(destruir) uma máquina virtual, basta utilizar o comando “vagrant destroy [nome-servidor]“.

Outro comando importante é o “vagrant box list”, esse comando lista suas imagens de máquinas virtuais, ao longo do tempo, principalmente em distros mais populares como o Ubuntu por exemplo, updates vão acontecendo e com isso a imagem da sua distribuição será atualizada, esse comando vai listar todas as imagens, é importante ir apagando as imagens antigas com o tempo.

Para removar uma imagem antiga, use o comando abaixo e o parametro “–box-version” especificando a versão que você quer remover, que é a numeração do lado do tipo de imagem na lista acima.

Caso existam máquinas virtuais utilizando essa imagem, o Vagrant ai avisar conforme imagem acima, que estão em dizendo que tenho três máquinas utilizando essa imagem, rundeck, neo e morpheus.

Esse foi apenas um guia simples para uso do Vagrant, eu particularmente tenho usado bastante o Vagrant para testar aplicações, por exemplo o Rundeck, roles do Ansible e o software de backup Restic, o Vagrant é muito flexivél, é posśivel já configurar no Vagrantfile instruções, como comandos shell, apt e Ansible para já deixar sua máquina virtual completamente pronta quando você aplicar o comando vagrant up.

Mais documentos você pode achar no site oficial na parte de documentação aqui.

 

Sharing is caring!