Mais uma noite pesquisando sobre crimes virtuais e novamente por sorte(ou azar) acabei achando um outro livro, trata-se de Mercado Sombrio – O cibercrime e você, de autoria de Misha Glenny, um especialista em organizações criminosas, não apenas no mundo virtual, mas do mundo real também.
É interessante perceber como uma história pode mudar de contexto quando ela é vista por outro ângulo, o livro Mercado Sombrio – O cibercrime e você é quase como um relato bem mais detalhada do livro “Chefão: Como um hacker se apoderou do submundo bilionário do crime cibernético” de autoria do Kevin Poulsen, do qual eu já fiz um post sobre ele também (link aqui). Misha Glenny relata com extrema riqueza de detalhes o submundo do crime virtual, porém, não pelo contexto de como executar o crime e sim pelo contexto psicólogo das pessoas envolvidas nessa trama, em particular, o autor de concentra mais no fórum DarkMarket, que podemos dizer hoje que foi o primeiro fórum de língua inglesa a conseguir divulgar, ensinar e executar as atividades criminosas na internet, em particular a questão do roubo de identidades e cartões de crédito.

No livro temos a chance de conhecer mais sobre criminosos como Jilsi (Renukanth Subramaniam) e Matrix001 (Detlef Hartmann) que por um bom tempo foram os cabeças do fórum, e você se engana se pensa que eles ficaram ricos, muito pelo contrário, manter um fórum criminoso é algo muito trabalhoso, seja pela questão de administrar servidores escondidos pelo mundo seja pela questão de tentar manter a ordem na casa e identificar os usuários que são agentes do FBI ou do Serviço Secreto.

O livro narra a ascensão e a queda do fórum DarkMarket e todos os principais membros envolvidos, mostra o esforço do FBI, em particular do agente federal Keith Mularski, que se infiltrou no fórum, criando para si um passado de hacker e conseguindo o respeito dos outros membros da fraternidade criminosa, usando o nickname de “Master Splyntr”, o agente do FBI conseguiu subir na hierarquia do fórum chegando ao ponto de ser o responsável por manter os servidores funcionando, conseguindo assim montar uma armadilha para efetuar dezenas de prisões pelo mundo.

Agente do FBI infiltrado - Keith Mularski.
Agente do FBI infiltrado – Keith Mularski.

Um ponto muito interessante do livro é quando a misteriosa história do hacker Cha0 é contada, pelo menos a tentativa de conta-la, pois esse elemento é tão obscuro quando o próprio DarkMarket e seus criadores.
Cha0 (Sahin ou Cagatay Evyapan, a verdade é que não existe certeza absoluta se Cha0 é uma pessoa ou um grupo espalhado pela Turquia ou pelo mundo), entrou para o fórum depois de sua criação, começou de forma humilde, comprando cartões de crédito e depois de um tempo começou a vender serviços, sua especialidade era o Skimmer, tal aparelho é usado em caixas eletrônicos, seu objetivo é roubar os dados do cartão, as trilhas da faixa magnética, como é chamado, Cha0 conseguiu fazer isso pelo simples motivo de boa parte dos caixas eletrônicos seguirem um padrão, desse modo seu skimmer poderia ser usado em vários locais do mundo e para vários bancos, além desse serviço Cha0 também oferecia apostilas ensinando um novato como entrar para o mundo do crime virtual, ensinando as melhores práticas para roubar dados, como por exemplo sempre usar Skimmer em caixas eletrônicos perto de boates, locais frequentados por jovens ricos que depois de beber muito vão querer sacar dinheiro para impressionar as garotas.

Aparelho skimmer
Aparelho skimmer

Depois de um tempo nesse negócio, Cha0 virou o maior fornecedor de Skimmer do mundo, apesar do negócio ser ilegal, sua honestidade com seus clientes era digna de uma grande empresa internacional, ele oferecia suporte técnico de tirava qualquer tipo de dúvida, sempre entregava nos prazos e estava constantemente melhorando tecnicamente seu produto, seu conhecimento de hacking e engenharia era muito grande, era um gênio do lado negro da força, seu negócio ficou tão grande que em um determinado momento ele parou de vender os Skimmers e começou a alugar, o criminoso em algum lugar do mundo solicitava seu produto, pagava e Cha0 fazia a entrega, apenas com um pequeno detalhe, todos os dados que o Skimmer ia pegando no caixa eletrônico eram criptografados, de modo que apenas Cha0 tinha o poder de fazer o processo inverso, o usuário precisava enviar todos os dados para Cha0 e só depois ele enviava novamente os dados para seu cliente.

Sua prisão ou suposta prisão se deve aos esforços do policial cibernético turco, Bilal Sen, no caso de Cha0 nem mesmo o FBI sabia muito sobre ele, sua capacidade de se manter abaixo do radar era digna de um fantasma, enquanto outros hackers como Iceman (Max Vision) gostavam de fazer muito barulho, criando a todo momento inimigos e amigos, Cha0 se mantinha neutro, tomando atitudes e expondo sua opinião apenas em momentos extremos, principalmente quando sabia que a outra pessoa não era da Turquia, seu IP sempre foi um mistério e até mesmo a forma de escrever suas postagens eram muito bem pensadas uma vez que ele também tinha inglês fluente. Bilal Sen conseguiu efetuar sua prisão se voltando para métodos antigos de investigação, pois ele percebeu que tentar rastrear Cha0 dentro da internet seria quase impossível, tendo certeza apenas que Cha0 morava na Turquia e obviamente suas entregas teriam que sair desse país, o policial começou a treinar outros agentes e pessoas que trabalhavam em transportadoras para terem a capacidade de identificar mercadorias com o peso e o tamanho de Skimmer e que principalmente fossem enviadas para fora do país, com isso conseguiram identificar um homem e posteriormente um número de telefone que acabou sendo a chave para a prisão do hacker.

Apesar do grande conhecimento nerd de Cha0, sua mente era criminosa e ele não trabalhava sozinho, tinha até mesmo guarda-costas que chegaram a sequestrar e quase matar um outro hacker(Mert Ortaç) turco que falou demais em um site de notícias, extremamente inteligente, eram poucas as pessoas que Cha0 tinha respeito, considerava a grande maioria da raça humana como ratos, muito abaixo do seu intelecto e apesar de ter conseguido muito dinheiro vendendo uma ferramenta de fraude, seu maior prazer era enganar as policias do mundo, em particular o FBI, deixar os agentes de Obama sem saber o que fazer era o que divertia e o que o motivava, saber que o fruto de sua riqueza vinha do seu poder e certeza da incapacidade das policias do mundo em localiza-lo era o seu motivo de existir.

Mert Ortaç, depois que foi sequestrado e espancado pelos homens de Cha0.
Mert Ortaç, depois que foi sequestrado e espancado pelos homens de Cha0.

Mais para o final do livro, Misha Glenny toca em um ponto muito delicado, ele se pergunta os benefícios e prejuízos a nível de segurança cibernética de se manter essas pessoas presas, hackers como Iceman e Cha0 tem a mente criminosa demais para ficarem soltos, mas também são inteligentes e conhecem muito bem o mundo do crime para ficarem apodrecendo em uma prisão federal.

Em 1994 um dos maiores assassinos em série do mundo foi condenado a morte, seu nome era Andrei Romanovich Chikatilo (Ucrânia), depois de preso, confessou o assassinato de 53 pessoas, em sua maioria crianças, o governo dos EUA tentou negociar sua sentença, fazendo com que ele não pegasse a pena de morte e fosse levado para os EUA para estudos e assim tentar entender melhor esse tipo de criminoso, o pedido não foi aceito e o criminoso foi executado. O mesmo não acontece quando o assunto são crimes virtuais, nenhuma autoridade governamental faz questão de entender a psicologia por trás de um criminoso que age dentro da internet, talvez porque a internet ainda não apresente perigo de morte para a sociedade, pelo menos ainda não, mas quando carros conectados com a internet e outros aparelhos domésticos estiverem a mercê de hackers, essa mentalidade das autoridades possa mudar e assim pensar melhor antes de colocar uma mente brilhante, que seja para o crime, mas mesmo assim não se pode negar seu intelecto avançado e em como esse estudo poderia ajudar a entender e a evitar esse tipo de crime.